Início / Viagens / Viajar com bebe: viagem de avião internacional

Viajar com bebe: viagem de avião internacional

Você adora viajar, mas deu um tempo nas andanças desde que o seu filhote nasceu?

Quem sabe não seja a hora de levá-lo para sua primeira viagem de avião? Sim, pode ser um pouco trabalhoso – especialmente se um dos pais não participar da viagem, porém daremos algumas dicas que facilitarão sua vida!

Quando em viagem ao exterior comece pelo passaporte. De modo geral, os documentos exigidos são praticamente os mesmos dos adultos – exceto o comprovante de votação, é claro. Mas pai e mãe devem autorizar a emissão do documento. Tire algumas dúvidas aqui, no site da Polícia Federal.

Caso o pequeno tenha o novo passaporte brasileiro (azul) é recomendável levar também o RG. Algumas empresas aéreas pedem, no Brasil, o documento para comprovar a filiação, já que a informação consta apenas no código de barras dos novos modelos.

Se o pai e a mãe acompanharão a primeira aventura internacional da criança, perfeito. Mas se apenas um deles – ou nenhum dos dois – for viajar, é preciso procurar a Vara da Infância e da Juventude para emitir uma autorização, que deverá ser apresentada no momento do embarque. Clique aqui para obter o modelo de autorização de viagem para impressão (faça o download)Pl. Para outras dúvidas entre em contato com a 1ª Vara da Infância e da Juventude no telefone (0xx61) 3348-6600.

Ufa! Tudo certo? É hora de comprar a passagem. A boa notícia: até 2 anos o pequeno paga apenas 10% do valor do bilhete na maioria das companhias aéreas – mas tem de viajar no colo. Quem tem menos de 12 anos também ganha desconto, de acordo com a empresa aérea.

Além dos documentos em ordem, viajar com crianças – especialmente se forem bebês – exige dos pais uma dose extra de paciência. E muita bagagem. Geralmente a bagagem triplica. A dica é previnir! tomando cuidado com o excesso de bagagem!. Leve cobertor, touca, luvas, pois o avião estará com o ar-condicionado ligado e aquecido é mais fácil do bebê dormir.

Outra dica importante é fazer a criança sugar. Dar mamadeira, o peito ou mesmo a chupeta para ajudar a aliviar o desconforto causado pela compressão das vias aéreas devido à altitude e mudança de pressão, especialmente na hora da decolagem e aterrissagem. Os bebês devem ser amamentados periodicamente, pois o ato de sugar evita que os ouvidos fiquem tampados e venham a doer. Nas crianças maiores e adultos o ato de mastigar tem o mesmo efeito.

Curiosidade:

Em um Boeing que saiu de Moscou para os EUA, em 2005, a russa Lyudmila Yalinus entrou em trabalho de parto durante um voo. O piloto, ao ser avisado, pediu autorização para fazer um pouso de emergência, como é de praxe nessas situações, mas só pôde pousar em Los Angeles, onde Lyudmila saiu da aeronave caminhando com o bebê no colo. Final feliz para uma situação difícil, que coloca em risco a vida da mãe e do bebê. O problema não é a viagem em si.

A pressurização dos voos comerciais não tem qualquer efeito sobre o bebê, garantem os especialistas. O maior risco é o de despressurização, que diminui o oxigênio do ar e, por tabela, o do bebê. De forma geral, as companhias aéreas liberam viagens a grávidas até o sétimo mês de gestação. Depois disso, só com autorização médica – e ainda podem pedir que a própria passageira assine um termo de responsabilidade.
Outras dicas:

– Procure voos que interfiram o menos possível com a rotina do bebê. Os noturnos são melhores para as jornadas mais longas.

– Os voos sem escala são preferíveis na maior parte das vezes, já que haverá uma única possibilidade de incômodo no ouvido do bebê durante a descida (algo bastante comum de acontecer). A vantagem também é não ter que se preocupar de novo com malas e longas movimentações dentro de aeroportos.

– Dependendo do temperamento da criança, no entanto, algumas famílias optam por escalas para haver uma certa mudança de ambiente e possibilidade de esticar as pernas e gastar energia.

– Ao fazer a reserva da passagem, diga que viajará com uma criança, e pergunte se a companhia oferece refeições infantis no caso de seu filho já comer alimentos sólidos.

– No caso de bebês com menos de 6 meses de idade, peça para reservar uma espécie de cestinho que se acopla à parede da aeronave para a criança dormir. Se seu filho for maior, você terá que fazer a opção entre segurá-lo no colo ou comprar um assento separado para ele (em muitos aviões você conseguirá encaixar a cadeirinha do carro no assento, para o bebê viajar mais confortável).

– Se viajar de classe econômica, tente marcar com antecedência os assentos da primeira fila ou os do meio diante de paredes de repartição (bulkhead) para ter mais espaço para as pernas e eventuais trocas de fraldas ou roupas do bebê. Leia nosso artigo sobre quais são os melhores assentos.

– Prepare-se para os atrasos e tenha sempre na mala de mão algumas alternativas de lanchinhos, mamadeiras ou copinhos, roupas, fraldas e lenços umedecidos.

– Alguma coisa para a criança beber também será oportuno para o momento da decolagem e da aterrissagem, quando a sucção e o ato de engolir ajudam a aliviar a pressão no ouvido.

– Não dê medicamentos para provocar sono, já que eles podem acabar tendo o efeito inverso.

– Se seu filho já for maior, embale presentinhos bem simples, como blocos de montar, para surpreendê-lo e distraí-lo durante o voo. É importante que eles sejam novos para realmente despertar a atenção! E você não imagina a diferença que faz o fato de eles estarem embrulhados.

– Se o avião não estiver cheio, peça à aeromoça para ocupar uma fileira vazia.

– Em alguns aeroportos do Brasil, há carrinhos elétricos para ajudar no transporte entre os portões mais distantes. Alguns aeroportos do mundo dispõem também de trens ou algo como metrô para ajudar na movimentação entre as áreas de embarque.

– Compre um assento na 1ª fila, aquela que fica de cara para a cabine do comandante. Este assento dispõe de uma “prancha” onde é possível trocar as fraldas do bebê. Gestantes, idosos e pessoas com criança de colo tem prioridade para usar estes assentos. Eles não são reservados, são liberados no check-in. Ou ainda, prefira os assentos localizados juntos às saídas de emergência, pois são mais confortáveis.

– Conte sempre com a ajuda das comissária de bordo, que são sempre muito atenciosas com quem está com um bebê! Aquecem a mamadeira e providenciam mais cobertas, é só pedir. A tripulação cuidará muito bem do seu filho.

– Em viagem internacional é proibido levar qualquer tipo de líquido ou pastoso, portanto, deverá conversar com um agente de aeroporto antes de embarcar com o leite do bebê.

– Embora você possa segurar o bebê no colo durante a viagem, o ideal é levar uma cadeirinha e colocá-lo sentado ao seu lado. Para isso deverá comprar um assento extra, ou ainda, viajar em horários menos procurados para aumentar suas chances de conseguir um assento vazio ao seu lado.

– O carrinho deve ir junto com a bagagem, porém não se preocupe. Leve consigo um cesto de bebê. Muitas companhias aéreas cedem às mamães. Informe-se antes.

– Alimentação: para os bebês utilize a alimentação habitual (frutas, papas, leite, etc); Para os maiores,   poupá-los de  comidas gordurosas  e não abusar dos deliciosos salgadinhos para evitar possíveis desarranjos. Além disso, as crianças devem sempre ingerir muito líquido, como água e cucos natural de frutas e água de coco.

Deixe um comentário

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*