Início / Aviação / Transporte de carga aéreo: conheça os tipos de cargas aéreas
mudanca-gato-empacotar

Transporte de carga aéreo: conheça os tipos de cargas aéreas

Para que está pesquisando informações sobre carga aérea e empresas de transporte aéreo e cargas aéreas, listamos os tipos de cargas determinados, que exigem cada qual uma forma de tratamento.

Cargas de Malotes são documentos empreso em papeis sendo a sua embalagem apenas envelopes (plásticos ou papelão). Cartas e Cartões Postais não poderão ser despachados por empresas convencionais, pois o envio de carta selada é monopólio do correio. Podem ser encaminhados imediatamente para o transporte sem mais ressalvas.

Cargas perecíveis são aquelas que podem sofrer deterioração se expostas a mudanças de temperatura, umidade e condições ambientais desfavoráveis durante o transporte aéreo. Só pode ser realizado esse tipo de transporte desde que o material tenha o prazo validade de, no mínimo, 72 horas, atestado, na data de embarque, em papel timbrado da empresa.

  • O prazo de validade para transporte deve ser declarado em todos os despachos, especialmente nos casos de vacinas, soros e materiais para testes. As embalagens devem ser adequadas à natureza da carga, não permitindo vazamento de líquido, abertura acidental, viscosidade, resíduos ou mau cheiro. Ex: Peixes frescos, Comestíveis em geral, flores, frutas e vacinas.
  • Documentação: Nota(s) fiscal(is), além da documentação específica para cada tipo de produto: -Plantas vivas: certificado fito sanitário emitido pelo Ministério da Agricultura; -Produtos de origem animal: certificado sanitário emitido pelo Ministério da Agricultura. Este certificado é desnecessário no caso de produtos industrializados que já trazem o selo de inspeção sanitária impresso no rótulo; -Vacinas, soros e materiais para testes laboratoriais: o prazo de validade deve constar obrigatoriamente do conhecimento aéreo; -Sêmen animal: como o produto é conservado em nitrogênio líquido, carga perigosa, é necessário a Declaração do Embargador para Cargas Perigosas.

Carga viva é o transporte de animais por vias aéreas, sejam eles selvagens; equinos ou domésticos. O animal não deve estar sob efeito de tranquilizantes  Caso esteja, este deverá estar acompanhado de laudo do veterinário informando o tipo e quantidade de droga utilizada, a data e hora da aplicação e o prazo de efeito do produto.

  • Em caso de animais silvestres, é necessário permissão para o transporte fornecido pelo IBAMA (Instituto Brasileiro de Amparo ao Meio Ambiente), conforme ofício 011/2005 – NFRP/IBAMA/MT. Além da licença de transporte emitida pelo IBAMA, o material deve se fazer acompanhar da devida nota fiscal; Para caso de peixes com origem no Estado do Mato Grosso, deve-se respeitar a cota de 10Kg de pescado, mais um exemplar de qualquer peso, respeitando-se os tamanhos mínimos de captura permitidos.
  • É necessário o Guia de Trânsito Animal (GTA), obtido junto ao Ministério da Agricultura e/ou em Veterinários Credenciados, verificando sempre a validade, no próprio documento. Caso o animal esteja retornando e o GTA esteja vencido, o cliente deverá providenciar outro.Esta exigência não se aplica aotransporte de Cães e Gatos, segundo a Instrução Normativa Nº 18, de 18 de Julho de 2006 Art 3º emitido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
  • Cães e gatos acima de 04 meses, somente serão aceitos para o transporte, caso possuam atestado de vacinação anti-rábica com validade máxima de um ano, não podendo esta ter sido aplicada em data inferior a 30 dias do embarque. Ainda, para Cães e Gatos, existe a cobrança de uma taxa especial referente ao manuseio deste tipo de carga e estes deverão estar acomodados em embalagens especiais respeitando os padrões definidos pela IATA (International Air Transport Association).
  • Documentação necessária: Declaração sanitária e licenças exigidas pelas autoridades do país exportador, trânsito e importador. No Brasil são emitidos pelo Ministério da Agricultura ou através de seus postos autorizados nos Estados da Federação; -Para animais e pássaros silvestres da fauna brasileira é obrigatória autorização do IBAMA; -Certificado de saúde emitido por médico veterinário.

Cargas Frágeis devem ser transportadas com cuidado para chegarem ao seu destino intacto. Exemplos de alguns tipos de cargas frágeis: vidros, cristais, louças, espelho, cerâmica, quadros, pinturas, gravuras, esculturas, óculos, armações, lentes, etc. A embalagem deste tipo de carga deverá assegurar a integridade do material a ser despachado. Portanto, as embalagens deverão ser de madeira, com proteção interna como serragem, divisórias, isopor, estopa, etc. Documentação necessária Nota Fiscal do produto.

Cargas de Valores são transportados por poucas empresas por causa de seu grande valor tornando inseguro por causa de roubos. São consideradas cargas valor, os seguintes itens: ouro ou metais contendo ouro, objetos feitos de ouro, platina ou metais contendo platina, tais como, irídio, ósmio, paládio, ródio ou rutênio, objetos feitos de platina, prata ou metais contendo prata. Como pedras preciosas: diamantes, rubis, esmeraldas, safiras e pérolas. Pedras semi-preciosas como: ágata, água-marinha, ametista, berilo, granada, jacinto, jade, jaspe, ônix, opala, quartzo, topázio, turmalina, turquesa etc; Jóias ornadas com quaisquer das pedras acima mencionadas; valores em espécie (dinheiro), Vale Transporte, Vale Refeição. Também é considerado Carga Valor qualquer material cujo valor da respectiva Nota Fiscal, dividido pelo seu peso real, seja maior ou igual a 100 vezes o valor da menor tarifa mínima da companhia.

Cargas Controladas. Exemplo: remédios, armas, vacinas etc (controladas pelo Governo). O Ministério do Exército denomina produtos controlados: armas, acessórios de armas, munições. Para o transporte de tais cargas em aeronaves civis, o cliente deverá solicitar a liberação junto ao Serviço Regional da Aviação Civil – SERAC -, em cuja jurisdição estiver o aeroporto de embarque, através da GUIA DE TRÁFEGO devidamente autorizada e fornecida pelo Ministério do Exército. Após a liberação, o cliente deverá apresentar à Seção da Aviação Civil – SAC do aeroporto de embarque, 03 vias da Guia de Tráfego, destinadas ao Ministério da Aeronáutica. O Guia de tráfego deverá ser assinado pelo SERAC e SAC. Não será permitida a aceitação de armas com munição. Obrigatória apresentação da Nota Fiscal.

Cargas Perigosas são definidas como artigos ou substâncias com capacidade de transmitir risco à saúde, à segurança e/ou ao meio ambiente. Quando transportada, deverá ser classificada de acordo com os limites estabelecidos no manual Dangerous Goods Regulations (DGR). O Cliente deverá preencher um documento chamado SHIPPER DECLARATION para o transporte de artigos perigosos, informando sempre, um telefone de emergência para contato que esteja disponível 24 horas/dia, conforme norma JJ03 publicada no manual da IATA. Cada produto e/ou substância oferecidos para transporte deverão ser declarados pela sua denominação (Proper Shipper Name), informando, detalhadamente, todos os dados pertinentes à carga (nome do produto, classe, embalagem, quantidade, principalmente o nº. da UN). Este preenchimento deverá estar de acordo com os regulamentos da IATA. A ONU (Organização das Nações Unidas) regulamenta e padroniza as mercadorias perigosas em todos os modais na forma de seu transporte. A IATA (Internacional Air Transportation Association / Associação do Transporte Aéreo Internacional) é a entidade internacional responsável pela edição dos Manuais anualmente.

Cargas de restos mortais e exumação são despachadas sem maiores complicações mediante a apresentação atestado de óbito; autorização da polícia local para remoção dos ossos; atestado de exumação (fornecido pelo cemitério). A urna deverá ser de ferro zincada/lacrada e o cliente deverá solicitar o preparo necessário para o transporte. Urna Metálica: Deverá ser utilizada quando o óbito for provocado por doença infecto-contagiosa, susceptível de quarentena e com potencial de infecção constatada. Urna Impermeável: Deverá ser utilizada quando o corpo encontrar-se em estágio inicial de putrefação, queimados ou decorrentes de óbitos ocorridos em plataformas marítimas ou de prospecção mineral.

Deixe um comentário

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*