Início / Aviação / Coisas que você não sabia sobre comissários de voo
flight-attendant-airbus

Coisas que você não sabia sobre comissários de voo

Meu primeiro emprego foi em um Call Center. É um serviço péssimo, mas passei a respeitar mais os atendentes de telemarketing depois que comecei a trabalhar com isso.

Neste sentido, com muitas profissões, inclusive os comissários de voo, ocorre o mesmo. Especialmente as pessoas que trabalham lidando com o público. Sou comissário por mais de 5 anos e vejo que muitos passageiros precisariam se colocar no lugar dos tripulantes antes de reclamar de atrasos, fazer ofensas e causar motim à bordo.

Abaixo, traduzimos livremente o artigo publicado originalmente no blog Mental Floss, que conta um pouquinho sobre coisas chocantes sobre a vida de um tripulante, que geralmente, o passageiro não sabe. Confira!

Se a porta do avião estiver aberta, não ganhamos nada

O passageiro dificilmente repara e mal sabe que durante o embarque, há uma revolução acontecendo nas galleys – a tripulação recebe os alimentos e bebidas, amenidades, formulários de imigração, documentos de voo, além de tantas outras coisas que temos que fazer na etapa pré-voo até o fechamento das portas do avião.

E nada disso aparece em nosso contracheque. Os comissários de bordo ganham “apenas horas de voo.” Ou seja, não recebemos até que fechemos a porta e o avião decole. Atrasos de voos, cancelamentos e layovers nos afetam tanto ou até mais quanto afetam os senhores passageiros.

As empresas aéreas não são completamente sem coração, no entanto. Por mês recebemos o salário base – no caso os comissários de voos no Brasil recebem na faixa de R$ 1.500. Não é muito, mas ajuda a pagar o aluguel fora de casa.

Salário do comissário de voo: faça os cálculos

Pousar nesta profissão não é nada fácil

A concorrência no mercado de trabalho é feroz: Quando uma companhia aérea anuncia vagas, geralmente recebe um número de currículos infinitamente superior às vagas divulgadas. Nem o curso de medicina na USP é tão concorrido!

Aliás, a concorrência é tão grande, que muitos comissários tem curso superior – são advogados, enfermeiras, fisioterapeutas e jornalistas que decidiram largar a profissão e seguir a vida como tripulante de cabine.

O que poucos sabem é que você não precisa de curso superior para ser comissário de bordo. Falar um idioma melhora muito as suas chances. E, claro, experiência com atendimento ao cliente – hotéis, restaurantes finos, ou ter trabalhado por outra companhia aérea, um sinal de que você pode lidar com este estilo de vida.

Você deve estar disposto esconder tatuagens, manter o cabelo curto, maquiagem todo dia e estar cada dia em um lugar, dormir cada noite em uma cama diferente e ficar até 6 dias longe de casa na semana.

Vagas na Aviação

Existem restrições de altura e peso

Durante o auge da Pan Am, na década de 1960, havia requisitos rigorosos para aeromoças – Elas tinham que ser pelo menos 1,58 m, e não pesar mais do que 59 Kg. As aeromoças da Pan Am eram proibidas de se casar ou ter filhos. Como resultado, a maioria das mulheres ficavam apenas 18 meses no cargo.

Entre a década de 1970 e 80, houve uma revolução com a organização pelos direitos das aeromoças, forçando as companhias aéreas mudar as relações de trabalho.

Nós podemos ser demitidos por razões bizarras

Comissários de voo em instrução, recém contratados, são colocados em liberdade condicional rigorosa pelos primeiros seis meses.

Há casos de comissários demitidos porque estavam sem o paletó, outros receberam advertência por estarem fumando uniformizados, deixar o cantor Latino entrar na cabine de comando com o avião em voo, escrever bobagens no Facebook e até por discutir com certos passageiros.

90 situações que você reconhece um comissário de voo

Coca Cola Zero é o nosso pior castigo!coca-cola-zero

De todas as bebidas que servimos, a Coca Coca Zero é a que leva mais tempo para preencher o copo com líquido, antes disso temos que esperar a espuma baixar. Você sabe disso, não?!

Até gostamos de servir uma Coca-Cola Zero, é bom para ingerir menos açúcar, mas saiba que quando você pede uma Coca-Cola Zero levamos o tempo de servir 3 copos de água. E água é tão mais gostoso…

Dicas de etiqueta para viagens de avião

Se você tentar embarcar com um cadáver, iremos notar

Você pode ter ouvido a história de um passageiro que tentou embarcar em um voo com sua mãe morta dentro de um saco de roupa no aeroporto de Miami. Aí vem a pergunta – Por que alguém faria uma coisa dessas?

Simples – porque o transporte deste tipo de “carga” é caro. Os preços variam conforme o destino, mas entregar um corpo em um voo pode custar até US $ 5.000.

Felizmente, eu nunca tive nenhum falecimento à bordo, mas conheço comissários que tiveram óbito em voo. Já soube até de história de um comandante que passou mal após a decolagem e veio a falecer depois. O que já fiz muito foi solicitar o atendimento de médico voluntário à bordo.

Uma curiosidade é que ninguém morre oficialmente em voo, a menos que aja um médico a bordo para fazer o atestado de óbito. Nessas ocasiões muito raras, a tripulação fará todo o possível para gerir a situação.

Infelizmente, a maioria dos voos estão lotados e dificilmente é possível conseguir uma fileira toda para deitar o “morto”. Neste sentido, a Singapore Airlines é a empresa aérea mais preparada para lidar com mortes à bordo, pois os aviões possuem um compartimento para armazenar um corpo morto.

Você nunca passou por uma turbulência de verdade

Mais de 2 milhões de pessoas fazem voos nos Estados Unidos a cada dia, e ainda, desde 1980, apenas três pessoas morreram como resultado direto de turbulência. Dessas mortes, dois passageiros não estavam usando o cinto de segurança.

Durante esse mesmo período, a Administração de Aviação Federal registrou pouco mais de 300 feridos graves de turbulência, e mais de dois terços das vítimas eram comissários de bordo – temos maior tendência a se ferir, pois estamos sempre nos movimentando pela cabine.

Por isso, use sempre o cinto de segurança até mesmo quando o sinal luminoso estiver desligado. Existem turbulências inesperadas de “céu claro” (sem a detecção do radar) que podem colocar a sua segurança em risco.

Turbulências mais severas a ponto do comandante não conseguir controlar o avião são raras, mas ninguém está totalmente isento de passar por isso. Desta forma, qualquer turbulência, afivele os cintos de segurança, respire tranquilamente e tente ficar calmo.

Fotos: Pixabay

3 Comentários

  1. Claudio Rivero

    Respeito ao próximo e o que vale, de ambas as partes.
    Quanto ao salário dos tripulantes, imagino que vocês tenham um salário base e que durante o voo recebam um extra, estou errado?
    Falar que esta no avião la sem receber nada pra mim e loucura!
    Os tripulantes regulamentam (tem hora determinada máxima de início e termino do trabalho), desde a hora que saem do hotel, cancelam voo por conta disso.
    Não acho que devemos ter pena, cada um escolhe sua profissão e não esta satisfeito busca algo que melhor agrade.
    Deixar um passageiro (mesmo que fosse o papa) entrar na cabine de comando e falta de segurança e deve estar em todos os manuais das empresas, logo, justa causa e JUSTA!

  2. GUSTAVO DE CAMPOS MATOS

    Discordo. Cancelamento e atrasos são terrivelmente piores para nós que trabalhamos de agentes em solo. O salário de comissários e maior do que o divulgado. A publicação tem que ter mais cuidados na divulgação. Protecionismo e falta de informações e péssimo pra categoria

Deixe um comentário

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*